O Inter entrou no novo milênio buscando nas categorias de base a essência do seu futebol. A hegemonia do futebol gaúcho veio naturalmente com a conquista de quatro estaduais consecutivos (2002-2003-2004-2005).

O clube colorado modernizou-se em todas suas áreas, preparando-se para a nova era do futebol. Depois de anos de disputas jurídicas, toda a área do complexo Beira-Rio foi integralmente regularizada pela prefeitura de Porto Alegre, possibilitando ao Sport Club Internacional escriturar o terreno. Isso também proporcionou ao Internacional o avanço no projeto de modernização do estádio, obtendo-se novas receitas e situando-se na elite dos clubes brasileiros.

Inter Supercampeão Gaúcho em 2002

O time treinado por Guto Ferreira conquistou o título vencendo o 15 de Novembro na final por 2 a 0, em um Beira-Rio com mais de 34 mil torcedores. A conquista, a primeira depois de um jejum de cinco anos, foi amplamente comemorada pela torcida, primeiro no estádio para logo depois se espalhar pelas ruas de Porto Alegre. Foi o 34º título do Campeonato Gaúcho conquistado pelo Inter.

Ficha técnica da final de 2002:

Internacional: Clemer; Júnior Baiano, Chris e Ronaldo; Claiton, Alexandre, Fabiano Costa (Leandro Guerreiro), Diogo Rincón (Márcio) e Cássio; Fábio Pinto (Mahicon Librelato) e Fernando Baiano. Técnico: Guto Ferreira.

15 de Novembro: Márcio; Borges Neto, Fábio Brás, Lúcio Surubim e Josicler; Massei, Cleber Gaúcho (Maico), Rivelino (Arílson) e Cleber; Carazinho e Sandro Sotille (Ânderson Canela). Técnico: Flávio Campos.
Arbitragem: Leonardo Gaciba, auxiliado por José Carlos de Oliveira e José Pessi.
Local: Beira-Rio.

Perda de uma promessa

Em 2002, um jogador brilhou e criou vínculos com a torcida colorada. Jovem, ágil e impetuoso, o catarinense Mahicon Librelato encantou a todo. Apontado como uma das grandes revelações do futebol brasileiro, ele marcou gols decisivos, em especial na última rodada do Brasileirão 2002, mantendo o Inter na divisão de elite do futebol brasileiro. No dia 28 de novembro de 2002, Mahicon faleceu em um acidente automobilístico em Florianópolis, porém, sua marca será eterna entre os torcedores do Internacional.


Mahicon Librelato teve a vida abreviada por uma acidente automobilístico

Bicampeão estadual!

Em 2003, o time treinado por Muricy Ramalho fez bela campanha no estadual e conquistou com facilidade o título: foram 7 vitórias, 2 empates e apenas uma derrota em 10 partidas. O trio Diego-Daniel Carvalho-Nilmar foi fundamental na conquista do bi, mostrando a excelência colorada na formação de jovens talentos.

A campanha
Inter 1 x 1 Juventude
Grêmio 1 x 2 Inter
Caxias 3 x 1 Inter
Inter 1 x 0 Caxias
Inter 1 x 0 Grêmio
Inter 3 x 3 Juventude
São Gabriel 0 x 1 Inter
Inter 4 x 1 São Gabriel
15 de Novembro 0 x 2 Inter
Inter 1 x 0 15 de Novembro

Confira a ficha técnica da segunda partida da final:

Internacional: Clemer; Fernando Cardozo, Sangaletti e André Cruz; Gavilán, Claiton, Flávio (Geninho), Daniel Carvalho (Luciano Valente) e Edu Silva; Nilmar e Jefferson Feijão. Técnico Muricy Ramalho.

15 de Novembro: Márcio; Fábio Braz, Luiz Oscar e Júnior (Carazinho); Borges Neto, Marcão, Sananduva, Maico e André Duarte (Marcelo Muller) ; Sandro Sotilli e Kanela (Cléber). Técnico: Guilherme Macuglia.

Gols: Flávio, aos 32 minutos do segundo tempo.

Arbitragem: Carlos Simon. Local: Beira-Rio

O tricampeonato nos 95 anos

O Inter comemorou seus 95 anos conquistando o tricampeonato estadual. O título da primeira fase da competição foi obtido após uma grande vitória sobre o Grêmio, em clássico disputado em Bento Gonçalves, no dia do aniversário do clube colorado. A equipe treinada por Lori Sandri venceu por 2 a 1, de virada, com um gol de Nilmar no segundo tempo da prorrogação.

Grupo colorado comemora o título da primeira fase do
Gauchão, em Bento Gonçalves

Na fase decisiva, o Inter eliminou o Glória, de Vacaria, na semifinal, e bateu a Ulbra na final que foi disputada em Canoas. Assim como na primeira fase do Gauchão, a vitória também foi de virada por 2 a 1, com gols de Edinho e Nilmar. Um jogo dramático, no qual o Colorado jogou quase todo o segundo tempo com um jogador a menos depois da expulsão de Alexandre Lopes. Mas o talento de Nilmar despontou e fez a diferença com um golaço. Estava garantida a 36ª conquista de Gauchão.

Confira a crônica do jogo

Jogadores comemoram o título
no campo da Ulbra, em Canoas
Nilmar (D) foi decisivo na conquista
do tricampeonato marcando gols

Ficha técnica da final de 2004:

Ulbra: Rafael; Marcelo, Sidnei e Renato Tilão (Mabília); Barão, Bagnara, Lauro, Cléber e Alex Martins (Sandro); Sinval (Marcelo Fumaça) e Fabrício. Técnico: Armando Dessessards.

Internacional: Clemer; Alexandre Lopes, Edinho e Vinícius; Bolívar, Fernando Miguel, Wellington (Labarthe), Marabá e Alex; Nilmar (Wilson) e Oséas (Chiquinho). Técnico: Lori Sandri.

Gols: Alex Martins (U), aos 20 minutos do primeiro tempo, Edinho (I), aos 30 minutos do primeiro tempo, e Nilmar (I), aos 16 minutos do segundo tempo.

Arbitragem: Leandro Vuaden, auxiliado por Altemir Haussman e José Carlos Oliveira. Local: Estádio do Complexo Esportivo da Ulbra, em Canoas.

Tetracampeão!


O time que jogou a grande final de 2005

O Inter conquistou seu histórico 37º Gauchão, o quarto consecutivo, num campeonato considerado um dos melhores dos últimos tempos. Após vencer o XV de Novembro por 2 a 0, no Beira-Rio, no primeiro jogo, o Colorado perdeu pelo mesmo escore na partida decisiva em Campo Bom. Assim, o jogo foi para a prorrogação. Foi então que brilhou a estrela do centroavante Souza, marcando dois golaços de cabeça que carimbaram o tetracampeonato gaúcho.

Confira a crônica do jogo

O retorno aos confrontos sul-americanos

A temporada 2004 marcou o retorno do Inter aos confrontos sul-americanos. O time treinado por Muricy Ramalho fez boa campanha na Copa Sul-Americana, eliminando o Figueirense, Grêmio e Cruzeiro na primeira fase da competição. Nas quartas-de-final, o Inter passou pelo Junior de Barranquilla, e nas semifinais enfrentou o Boca Juniors em um duelo histórico.


Torcida colorada invadiu o La Bombonera


Inter enfrentou o Boca Juniors em um duelo histórico

O resultado dentro de campo não foi o esperado, mas a torcida colorada deu mais uma prova da sua força e invadiu o Estádio La Bombonera, em Buenos Aires: 4 mil torcedores lotaram o espaço destinado aos visitantes, protagonizando um belo show no lendário estádio. A imprensa esportiva argentina destacou a presença maciça de torcedores colorados. Segundo o Diario Deportivo Olé, nenhum outro clube brasileiro trouxe uma torcida tão numerosa para Buenos Aires quanto a do Internacional.

Loja Virtual