03/06/2004

INTER NA FINAL EM BUSCA DO TRI

Time derrota o Glória por 4 a 1, nos pênaltis, e se classifica para a decisão contra a Ulbra

O Inter está na final do Gauchão pela terceira vez consecutiva

   Foi uma semifinal dramática. O Internacional entrou em campo com a necessidade de vencer por uma vantagem de três gols de diferença, o que garantiria a final no Beira-Rio, diante da Ulbra. Logo aos 10 minutos, Bolívar fez excelente cruzamento para Oséas cabecear e fazer 1 a 0, para delírio dos cerca de 13 mil colorados presentes ao estádio. Mas a partir do gol sofrido, o Glória reagiu e passou a ameaçar com o perigoso centroavante Sandro Sotilli. Foi então que o goleiro Clemer começou a brilhar. Mesmo atuando no sacrifício devido a uma gripe, Clemer foi sensacional em três defesas. Só não conseguiu evitar o belo chute de André Gheller, de fora da área, que empatou a partida aos 38 minutos.

   No segundo tempo, o Inter começou um pouco melhor. Aos sete minutos, Nilmar entrou na área a dribles e a bola foi para Oséas, de bicicleta, concluir por cima. O Glória seguiu ameaçador, sempre com o atacante Sandro Sotilli, que só não marcou um gol de cabeça, aos 22 minutos, porque Clemer salvou com grande defesa. O atacante do time de Vacaria ainda perdeu ótima chance, aos 35 minutos, ao driblar Clemer e chutar para fora.

   Na prorrogação, já com Diogo, Labarthe e Chiquinho nos lugares de Alex, Wellington e Nilmar, o time teve mais ânimo. Mas logo no começo do tempo suplementar, veio o susto. Flavinho cruzou e o atacante João Pedro cabeceou para desempatar. Aos oito, porém, o Inter reagiu, quando o juiz Carlos Simon marcou pênalti de Xavier, que tocou com a mão na bola na área. Vinícius cobrou bem e empatou o jogo. Aos seis minutos do segundo tempo, Júnior Negrão foi expulso depois de falta violenta em Diogo. Aos sete, Vinícius marcou de cabeça, mas Simon anulou, alegando falta do centroavante Oséas. A partir daí, a torcida seguiu empurrando a equipe para frente, mas os jogadores não conseguiram a virada.

   Vieram então os pênaltis. Antes das cobranças, Clemer assegurou aos companheiros que ele evitaria pelo menos duas cobranças. E o goleiro estava certo. Sandro Sotilli e André Gheller cobraram para fora. Toto marcou o único gol da equipe do Interior. Pelo Inter, foram quatro pênaltis bem cobrados. Fernando Miguel, Labarthe, Chiquinho e Cleiton Xavier bateram bem e deram ao Inter a chance de buscar o tricampeonato no próximo domingo, às 15h30min, em Canoas, diante da Ulbra. 

   Depois do jogo, o técnico Lori Sandri considerou fundamental a entrada de Diogo, Labarthe e Chiquinho para a classificação colorada: "Quando os meninos entraram, o jogo mudou." O lateral Chiquinho, que voltou ao time depois de passar por problemas médicos, tratou de chamar a torcida para a decisão em Canoas: "Vamos em busca do tricampeonato!"

Internacional 2 (4): Clemer; Bolívar, Alexandre Lopes, Edinho e Vinícius; Fernando Miguel, Cleiton Xavier, Wellington (Labarthe) e Alex (Diogo); Nilmar (Chiquinho) e Oséas. Técnico: Lori Sandri.

Glória 2 (1): Marcão; Flavinho, Marcelo Ramos, Xavier e Cristiano; André Gheller, Toto, Aldo (Luciano) e Fábio de los Santos (Júnior Negrão); Sandro Sotilli e Bebeto (João Pedro). Técnico: Plein.

Gols: Oséas (I), aos 10 minutos do primeiro tempo, e André Gheller (G), aos 38 minutos do primeiro tempo, no tempo normal. João Pedro (G), aos três minutos do primeiro tempo, e Vinícius (I), aos 10 minutos do primeiro tempo, na prorrogação. Cobranças de pênaltis: Fernando Miguel, Labarthe, Chiquinho e Xavier (I); Toto (G).

Cartões amarelos: Vinícius, Fernando Miguel e Alex (I): Flavinho, Xavier e Cristiano (G). Expulsão: Júnior Negrão (G). Renda: R$ 74.198,00. Público total: 12.580. Arbitragem: Carlos Simon, auxiliado por Luiz Guaranha e José Bitencourt. Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre. 


Outras notícias
Loja Virtual