26/11/2008

Sul-Americana: heróico Inter vence Estudiantes em La Plata

Por Alexandre Corrêa (texto)
e Alexandre Lops (fotos)
Enviados especiais/La Plata
Edição: Felipe Silveira

Com muita raça e uma grande atuação tática e técnica, o Internacional venceu o Estudiantes por 1 a 0 na noite desta quarta-feira, no Estádio Ciudad de La Plata, no primeiro jogo da decisão da Copa Sul-Americana. O gol foi marcado por Alex, em pênalti sofrido por Nilmar. O time colorado teve Guiñazu expulso aos 24min da etapa incial, mas soube segurar a pressão argentina e conquistou a importante vitória fora de casa. Agora, o Inter joga pelo empate na partida da próxima quarta-feira (3/12), no Beira-Rio, para ficar com o inédito título.

Muito se falou sobre La Plata e a tradição do Estudiantes atuando em sua casa antes do confronto. Para se ter idéia, o time não perdia em casa há 43 partidas, desde 2007. Pois o Internacional foi a La Plata e derrotou os argentinos por 1 a 0 em uma partida com tons heróicos. Desde os 24 minutos do primeiro tempo, quando Guiñazu, foi expulso, o Inter atuou com um jogador a menos.


Alex marcou o gol da vitória em uma cobrança de pênalti

Com uma atuação perfeita taticamente e tecnicamente, além de uma grande dose de disposição e garra de todos, o Inter superou todas as adversidades em campo e fora dele, a pressão de mais de 50 mil torcedores, os erros de arbitragem e saiu na frente nas finais da Copa Sul-Americana. Agora, o time joga por empate no jogo de volta, dia 3, no Beira-Rio para conquistar o inédito título para o futebol brasileiro.



>> Veja  a galeria de fotos da partida

O deslocamento

O Inter chegou ao Estádio Cuidad de La Plata com um esquema de segurança perfeito. A equipe deixou Buenos Aires duas horas e meia antes do jogo. Uma hora depois estava entrando no pátio principal do estádio. Durante o trajeto, os jogadores já puderam sentir o esquema de segurança e a presença das duas torcidas.

Ao adentrar na rodovia que leva até La Plata, distante 56 quilômetros de Buenos Aires, a polícia local trocou a escolta com a polícia rodoviária. Durante o trajeto, carros com torcedores do Estudiantes e do Inter passavam ao lado do ônibus do Inter, cada um se manifestando à sua maneira: os platenses xingando e fazendo gestos obcenos, enquanto os colorados mostrando suas camisetas e bandeiras e festejando.


Torcedores colorados marcaram presença em La Plata

Na entrada em La Plata, dezenas de policiais argentinos aguardavam a delegação colorada Alguns armados com rifles e fuzis para amedrontar qualquer tentativa de balbúrdia por parte de algum torcedor mais exaltado. Dentro do ônibus, o grupo cantava pagodes para descontrair. Quando chegou perto do estádio, o grupo começou a cantar o Hino do Inter, demonstrando a sua grande identificação com o Clube.

A torcida

Dentro do estádio, cerca de uma hora e meia antes do jogo, com os refletores apagados, a torcida do Inter já tomava suas dependências, às centenas. Já os fanáticos do Estudiantes, conhecidos na Argentina como alguns dos mais vibrantes, iam aos poucos lotando o estádio.

Volta e meia, a torcida do Inter cantava forte, marcando presença, ao que os rivais de La Plata vaiavam imediatamente e começavam a cantar de volta. Era um bonito espetáculo das duas torcidas.

Na entrada no gramado para o aquecimento, o goleiro Lauro já sentiu de perto a pressão das arquibancadas. Uma bomba explodiu perto da goleira. Enquanto isso, uma rádio de La Plata comparava o Inter ao Boca Juniors pela sua organização, títulos recentes e enaltecia os quase 80 mil sócios do Clube gaúcho.

Quando o sistema de som anunciou os titulares do Inter, a maior vaia foi para D´Alessandro. A torcida do Inter, por sua vez, aplaudiu todos, especialmente o meia argentino.

A entrada no campo do Inter foi muito festejada pelos colorados presentes. Enquanto isso, sentia-se um cheiro de pólvora no ar dos foguetes disparados. Poderia ser também um prenúncio da guerra no campo que estava por vir.


Em pé: Lauro, Bolívar, Marcão, Magrão, Índio e Álvaro
Agachados: Nilmar, D'Alessandro, Alex, Edinho e Guiñazu

O Estudiantes demorou para entrar em campo. Só foi ao gramado cinco minutos depois do horário marcado para a partida. Mas quando entrou, foi uma festa enorme. Com muitos foguetes e fumaça, a torcida local deixou o gramado invisível por alguns instantes tamanha a fumaça.

O Inter entrou em campo todo de vermelho, enquanto o time da casa começou com sua tradicional camisa branca com listas vermelhas verticais.

O jogo

A partida começou em ritmo cadenciado com as duas equipes se estudando. Aos poucos, foi se vendo a estratégia clara de jogo do Estudiantes: jogadas para as laterais e bolas cruzadas para a área a todo momento. A zaga e o goleiro Lauro teriam trabalho, muito trabalho pela frente.

Aos 4min30seg, Benitez cobrou falta para a área e Lauro salvou de soco, na sua primeira intervenção importante. Aos 5min, o juiz Carlos Amarilla aplicou cartão amarelo para Guiñazu. Aos 5min30seg, Verón cobrou falta e Laura saiu bem do gol.

A melhor alternativa ofensiva do Inter nos primeiros minutos era o apoio de Marcão, pela esquerda. Aos 9min, Marcão ganhou na força do marcador, depois de dribá-lo, entrou na área e cruzou, mas a defesa salvou de cabeça. Aos 10min30seg, Edinho ganhou de Verón na intermediária e chutou por cima. Um minuto depois, D´Alessandro tabelou com Nilmar, na entrada da área, e tocou para Alex, que entrava livre. A bola, porém, foi muito forte. Uma pena.

O trio Nilmar, D´Alessandro e Alex seguia preocupando os argentinos. Aos 12min30seg, Alex cruzou para Nilmar, na área, mas a zaga conseguiu cortar. Sete minutos depois, Verón cobrou falta e Lauro mandou para escanteio. O duelo Verón e Lauro durou a partida inteira, com vantagem para o goleiro brasileiro sempre.

Sem muitas alternativas nem espaços, o Estudiantes tratava de cavar faltas perto da área para explorar a jogada aérea, com a complacência do árbitro paraguaio Carlos Amarilla.

Dessa forma, o time da casa passou a pressionar mais. Aos 22min30seg, em cobrança de falta para a área, Lauro afastou, mas a bola sobrou para Boselli. Quando o atacante iria chutar, a zaga conseguiu abafar e mandar pra escanteio. Na cobrança, Lauro mais uma vez brilhou salvando o Inter.


Guiñazu incrédulo com a expulsão no primeiro tempo

Aos 24min, Amarilla foi rigoroso e deu o segundo cartão amarelo para Guiñazu, o expulsando. O jogo passou a ganhar contornos heróicos para o Inter, que teria pela frente 66 minutos mais os descontos com um jogador a menos.

Do banco, então, veio a medida tática que tratou de minimizar o prejuízo da desvantagem numérica. Tite recuou Alex e D´Alessandro para compor uma linha de quatro jogadores com Edinho e Magrão. O Inter passou então a atuar com duas linhas de quatro e mais Nilmar na frente.

O Estudiantes tentou então pressionar, mas nunca conseguiu espaços. Pelo contrário. Na empolgação de ter que atacar e buscar o gol, deixou os espaços para a velocidade de Nilmar. E o atacante foi decisivo mais uma vez. Aos 32min, Nilmar foi lançado pela direita, entrou na área, ganhou do zagueiro em velocidade e foi derrubado: pênalti indiscutível marcado por Amarilla. Uma grande chance para o Inter!!!

Na cobrança, aos 34min, Alex marcou o gol, mas Amarilla mandou cobrar novamente alegando invasão da área. Alex não se intimidou, foi de novo pra bola e cobrou com a perfeição costumeira. Gol do Inter, gol de Alex, o artilheiro da Copa Sul-Americana com cinco gols. Foi também o 32º gol do artilheiro do Inter na temporada. Alex, sempre Alex!!!!


Alex está cobrando o pênalti que garantiu a vitória contra o Estudiantes

O gol deu mais moral ainda para o Inter, que passou a tocar a bola com autoridade Aos 37min, D´Alessandro cobrou falta com perigo, e o goleiro Andrújar fez defesa difícil, com a bola batendo no poste ainda. Vendo a superioridade do Inter, a torcida de La Plata ficou quieta por alguns instantes, enquanto a torcida colorada fazia grande festa!

Sem espaços, o Estudiantes via como única alternativa tentar os cruzamentos para a área e os chutes de fora da área. O Inter controlava bem o jogo. Aos 40min, a arbitragem aprontou de novo! Alex eu passe sensacional para Nilmar, que entraria livre na cara do goleiro. O bandeirinha, porém, deu impedimento, prejudicando imensamente o Inter. Aos 42min, Benitez cobrou falta e Lauro defendeu bem. Foi também a última ameaça do Estudiantes no primeiro tempo.

Depois do intervalo, pouca coisa mudou. O Inter manteve sob controle o adversário com as duas linhas de quatro e ainda levava mais perigo nos contra-ataques. Aos 2min30seg, Angeleri recuou mal para o goleiro, Nilmar roubou a bola, entrou na área e concluiu para defesa salvadora de Andrújar.


D'Alessandro avança com a bola dominada

O Estudiantes respondeu aos 4min50seg com passe de categoria de Verón para Boselli, na área, concluir por cima. Dois minutos depois, Verón arriscou de falta por cima também. Aos 7min15seg, lá foi Verón arriscar da intermediária ao lado do gol. Os chutes de longe pareciam ser a única alternativa do Estudiantes. Aos 10min30seg, foi a vez de Salgueiro arriscar e Lauro defender para escanteio.

Sem alternativas, o técnico Leonardo Astrada tratou de fazer a primeira mudança aos 13min colocando Fernandez no lugar de Salgueiro. Mas foi o Inter que quase ampliou 30 segundos depois com D´Alessandro lançando para Nilmar, em velocidade. O atacante correu, mas o goleiro fez boa saída do gol.

D´Alessandro segurava a bola, driblava, conduzia, tocava e era o condutor do meio-campo colorado. As suas ações permitiam que o Inter saísse de trás em vários momentos. Enquanto isso, o Estudiantes abusava das bolas altas para a área, todas detidas pelo goleiro Lauro ou afastadas pela dupla de zaga Índio e Álvaro. O tempo ia passando e a torcida local se irritava...


Lauro teve atuação destacada na vitória em solo argentino

Aos 16min, mais uma troca no time argentino: saiu Galván para a entrada de Moreno y Fabianesi. Nada mudou. Então Astrada foi para sua última e mais ousada alteração: saiu o zagueiro Alayes e entrou o centroavante Calderón. Angeleri passou a ser zagueiro então. Aos 25min30seg, em cruzamento para a área, Fernandez concluiu por cima. O Inter valorizava a bola e segurava  jogo com grande experiência. O Estudiantes tinha dois terços do campo, mas não tinha espaços para entrar na área colorada.

Aos 33min, Nilmar deu grande passe para Edinho, que entraria livre na área, mas o bandeira anulou o lance por impedimento. Aos 33min30seg, saiu Alex para a entrada de Gustavo Nery, na primeira mudança do técnico Tite. Nery entrou bem, conseguindo bons avanços pela esquerda.

Aos 38min, D´Alessandro deu toque genial por cobertura para Magrão, na área. O volante girou e concluiu para defesa de Andrújar. Um minuto depois era Bolívar que fez grande jogada pela direita, passando por três marcadores e cruzando para Nilmar, que concluiu pressionado por um marcador. Um minuto depois D´Alessandro cobrou falta por cima com perigo. Reparem que era o Inter que criava mais mesmo com um jogador a menos.


Inter festejou muito a importante vitória na Argentina

Aos 41min30seg, D´Alessandro deixou o campo para a entrada de Sandro O argentino foi muito aplaudido pela torcida colorada, que gritou seu nome com entusiasmo. Aos 45min30seg, o Estudiantes apanhou rebote na entrada da área e concluiu ao lado com perigo. Na seqüência, Nilmar foi substituído por Danny Morais, que ajudou a segurar o resultado nos últimos minutos.

Final de jogo: grande vitória do Inter. Agora a equipe pode empatar no jogo de volta, dia 3 de dezembro, no Beira-Rio, para conquistar o título da Sul-Americana.

"Foram os primeiros 90 minutos da decisão. Nos superamos em campo com um jogador a menos. No intervalo, conversamos sobre o Guiñazu e dedicamos para ele o empenho em busca da vitória, como ele sempre faz pelo time", afirmou Bolívar.

"O time teve muita hombridade e soube segurar a importante vitória. Jogamos pelo Guiñazu", declarou Índio.

"Vamos ter que entrar muito ligados no jogo de volta. Perdemos o Guiñazu, mas junto da torcida temos tudo para conquistar o título", projetou Edinho.

"O pacto de hoje foi o de correr pelo Guiñazu. Conquistamos a vantagem, mas nada está ganho ainda. Vamos seguir mobilizados para a partida de volta no Beira-Rio", ponderou Álvaro.

"Os times argentinos são muito matreiros, por isso vamos precisar atuar com cuidados no Beira-Rio. Mas foi um grande passo que demos na busca pelo título", afirmou o vice-presidente de futebol Giovanni Luigi.

"Foi uma vitória completa. O time quebrou uma invencibilidade do Estudiantes em casa e conquistou uma importaante vitória, que nos deixou muito próximos do título. O Tite teve papel decisivo na armação do sistema tático. A zaga foi perfeita. Vamos jogar com a mesma seriedade na partida de volta, com o Beira-Rio lotado", projetou o presidente Vitorio Piffero.

> Bastidores e a vitória sobre o Estudiantes em La Plata

Estudiantes (0): Andújar; Angeleri, Alayes (Calderón), Desábato e Juan Díaz; Diego Galván (Moreno), Verón, Sánchez e Benítez; Salgueiro (Fernandez) e Boselli. Técnico: Leonardo Astrada.

Internacional (1): Lauro; Bolívar, Índio, Álvaro e Marcão; Edinho, Magrão, Guiñazu e D'Alessandro (Sandro); Alex (Gustavo Nery) e Nilmar (Danny Morais). Técnico: Tite.

Gol: Alex (I), de pênalti, aos 34min do primeiro tempo. 

Cartões amarelos: Guiñazu, Magrão, Lauro, Índio (I); Salgueiro, Desábato, Verón (E). Expulsão: Guiñazu (I).

Arbitragem: Carlos Amarilla, auxiliado por Manuel Bernal e Emigdio Ruiz Roa (trio paraguaio).

Local: Ciudad de La Plata, Argentina, La Plata


Outras notícias
Loja Virtual