25/08/2008

Inter firma parceria com japoneses visando preservação do meio ambiente

>> Delegação japonesa oferece jantar no Centro de Eventos

O Internacional promoveu uma entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira, no Beira-Rio, sobre a parceria e o intercâmbio estabelecido entre o clube de futebol japonês Shimizu S-Pulse e o Banco Sumitomo Mitsui com o clube colorado. Na oportunidade, estiveram presentes o vice-presidente de administração Décio Hartmann, o vice-presidente de patrimônio Emídio Ferreira, além do coordenador técnico do Shimizu, Michihisa Date, e o gerente-geral do Banco Sumitomo Mitsui do Brasil, Hajime Uchida.


Da esq. para dir.: Emídio Ferreira, Décio Hartmann, Hajime Uchida e Michihisa Date

A ação é inédita no Brasil e surgiu através do interesse mútuo pela preservação ambiental. O Banco Sumitomo, parceiro do Shimizu, é um intermediário na venda de crédito de carbono do Brasil para o Japão. ?Compramos crédito de carbono dos países em desenvolvimento com o objetivo de diminuir a emissão de CO2 no Japão. Em 2006, foram compradas 1,5 milhão de toneladas. A preocupação com o aquecimento global precisa ser de toda a raça humana?, alerta Hajime Uchida, gerente-geral do banco japonês que está completando 50 anos de atividade no Brasil.

Atento às questões que envolvem a qualidade do meio ambiente, o Internacional deverá assinar um protocolo de intenções com os parceiros japoneses. Em um primeiro momento, o Banco Sumitomo irá viabilizar a medição inédita da emissão de carbono em um dia de jogo no Beira-Rio. O clube colorado também estuda a possibilidade da utilização da chamada ?energia limpa?, que compreende a utilização das energias eólica (vento), solar e o aproveitamento da água da chuva no Complexo Beira-Rio. ?Estamos em um processo de modernização e muita gente fala sobre o impacto ambiental. Por isso estamos tratando com especialistas do assunto?, avalia Emídio Ferreira.

O Shimizu, clube da primeira divisão do futebol japonês, está engajado na diminuição da emissão do monóxido de carbono na atmosfera, atendendo às diretrizes fixadas pelo Protocolo de Kyoto, em 1998. A viagem ao Brasil proporcionou a interação com outra cultura, além de difundir a consciência sobre o aquecimento global. ?Somos um clube de futebol profissional que respeita integralmente o meio ambiente. Temos uma preocupação com o futuro dos nossos atletas, com a qualidade do ar que eles vão respirar. Estamos usando o futebol que mobiliza multidões, para divulgar este conceito?, conta Michihisa Date, que também foi atleta profissional, tendo atuado ao lado dos brasileiros Careca e Jameli.

>> Veja a entrevista coletiva!

Durante o intercâmbio, o time sub-14 do Shimizu S-Pulse teve a oportunidade de conhecer de perto a preparação dos atletas das categorias de base do Inter. Um torneio comemorativo ao centenário da imigração japonesa no Brasil também foi realizado nos campos suplementares entre os times sub-14 do Inter, Shimizu, São José-POA  e Juventude. A competição - definida pela direção colorada como um evento comemorativo ao bicentenário vermelho e branco, já que assim como a imigração dos japoneses no Brasil, o clube também irá completar 100 anos em 2009 - foi vencida pelo Inter.

A troca de experiências foi considerada satisfatória por todos os envolvidos.?Estabelecemos um intercâmbio sócio-esportivo-cultural. O Shimizu viu no site da Fifa que o Beira-Rio poderá sediar jogos da Copa do Mundo de 2014 e teve o interesse em conhecer nossa estrutura, pois eles já estão se organizando para este evento. Com certeza a imagem do Inter ficará fortalecida no Japão?, afirmou Décio Hartmann. Para os japoneses, a impressão foi positiva. ?Apesar da dificuldade da língua, todos os atletas mostraram grande amizade. Foi uma experiência inédita para nós. Percebemos que o Inter está muito atento às questões que envolvem o meio ambiente?, elogiou Michihisa Date.

>> Saiba mais sobre o crédito de carbono

Créditos de carbono ou Redução Certificada de Emissões (RCE) são certificados emitidos quando ocorre a redução de emissão de gases do efeito estufa (GEE). Por convenção, uma tonelada de dióxido de carbono (CO2) equivalente corresponde a um crédito de carbono. Este crédito pode ser negociado no mercado internacional. Créditos de carbono criam um mercado para a redução de GEE dando um valor monetário à poluição. Acordos internacionais como o Protocolo de Kyoto determinam uma cota máxima que países desenvolvidos podem emitir. (Fonte: Wikipédia)

Palestra para os atletas da base alerta sobre meio ambiente

O Internacional promoveu um encontro cultural com os japoneses do Shimizu S-Pulse. Na tarde desta segunda-feira, na sala do Conselho Deliberativo, cerca de 200 jovens das categorias base do Inter e do Shimizu assistiram à palestra conferida pelo gerente-geral do Banco Sumitomo Mitsui do Brasil, Hajime Uchida.


Hajime Uchida fez palestra para os atletas da base colorada

Uchida esclareceu questões relativas ao  Protocolo de Kyoto e meio ambiente. " Hoje é um ponto inicial, estamos fazendo este intercâmbio usando o futebol como base, mas as questões ambientais estão diretamente ligadas a todo projeto. Espero que o Inter seja o primeiro clube de futebol a medir a emissão de carbono em um dia de jogo", ressaltou Hajime.

Segundo o diretor das categorias de base do Inter Marcelo Karan, a importância da vinda da delegeção japonesa vai além das questões futebolísticas. " O intercâmbio vem mostrar aos nossos jovens a questão do meio ambiente, toda a nossa preocupação é para que eles tenham uma conscientização sobre o assunto", afirmou Karan.

Fotos: Alexandre Lops


Outras notícias
Loja Virtual