04/05/2008

SUPER ALEX, O MAESTRO

Durante a semana, Alex era considerado dúvida. Guiñazu, que se lesionou no mesmo jogo que o meia atacante, sofreu cirurgia e se recuperou antes para o jogo decisivo contra o Juventude. Mas nada tirava o otimismo de Alex Rafael. Quem poderia afirmar que o destaque do Internacional com Campeonato Gaúcho de 2008 já estava no clube desde 2004. Hoje, no Beira-Rio, dia de jogo decisivo Alex  conduziu com maestria o meio campo do Internacional. Em ritmo alucinante, o camisa 10, marcou seu 13º gol no Gauchão. Terminou o campeonato como artilheiro, ao lado de Mendes.


Alex teve atuação destacada na final contra o Juventude

Depois de uma atuação brilhante em todo estadual, Alex não poderia vestir outra camisa senão a de número 10. Sua perna esquerda nunca funcionou tanto como agora. Empilhou gol em cima de gol, seja de falta, de fora da área ou até de sem pulo. Alex assumiu de vez a responsabilidade de ser uma das referências do time colorado. Hoje é possível dizer que Alex é o meia-atacante dos sonhos do torcedor. Atuante, participativo, dinâmico e conclusivo. Super Alex, como foi apelidado pela crônica esportiva.


Meia-atacante sofreu com a dura marcação adversária

No segundo tempo, Abel Braga optou por dar a Alex o maior reconhecimento que qualquer jogador pode querer. A reverência de sua torcida. O meia saiu e deu lugar a Andrezinho. Aos gritos de ?Alex, Alex, Alex? a torcida brindou o camisa 10 na partida que deu ao Internacional 38º título gaúcho. 


Alex foi artilheiro do Gauchão, ao lado de Mendes, do Juventude, com 13 gols

Fotos: Alexandre Lops e Átila Sbruzzi


Outras notícias
Loja Virtual