19/12/2007

DEFENSORES DE PRONTIDÃO

Por Felipe Silveira
Fotos: Alexandre Lops

Oriundos das categorias de base do clube, os zagueiros Sidnei e Danny Morais tiveram atuações destacadas na temporada e se tornaram opções seguras para o técnico Abel Braga. Confira a reprodução da matéria sobre a dupla publicada na Revista do Inter de novembro.

Eles trilharam um longo caminho até chegarem ao time profissional. Criados nas categorias de base do Inter, os zagueiros Sidnei (foto ao lado) e Danny Morais conquistaram a confiança do técnico Abel Braga com atuações marcadas pela segurança e maturidade. Em um grupo que reúne experientes zagueiros como Índio, Sorondo, Orozco e Marcão, a dupla dos garotos formados no Beira-Rio está ganhando seu espaço com muita dedicação e disciplina nos treinamentos.

A semana que antecedeu a partida contra o Cruzeiro, pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro, trouxe consigo uma série de problemas para Abel no setor defensivo. O time que enfrentaria o ataque mais positivo do campeonato estava desfalcado dos seus principais zagueiros. A começar pelo uruguaio Sorondo, com uma lesão no joelho que o afastou dos gramados pelos próximos meses. O colombiano Orozco, reserva imediato, estava suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Para agravar a situação, Índio sentiu uma lesão dois dias antes da partida contra a equipe mineira. Em meio a tantos desfalques, Abel teve uma certeza: Sidnei e Danny Morais seriam os companheiros de Marcão na zaga.

?Sempre confiei muito nesses garotos. A identificação que eles têm com o clube é fora de série. Era um jogo complicado, mas eles tiraram de letra?, comemorou o treinador após a vitória de 1 a 0 sobre o Cruzeiro.

Os elogios eram plenamente justificáveis. A dupla esteve impecável em campo. Além de anularem com eficiência o perigoso ataque cruzeirense, os zagueiros também deram apoio ao sistema ofensivo com inteligentes passes e arrancadas. Foi uma das melhores partidas dos jogadores com a camisa colorada. ?Foi um jogo especial, o primeiro que comecei como titular no Beira-Rio. Trabalhei muito para ter esta chance?, ponderou Danny, 22 anos.

Muitos torcedores que vibraram com a atuação soberana da dupla desconhecem a longa trajetória dos garotos no Inter. Danny (foto ao lado) chegou ao clube no final de 1998. Dois anos depois, já escrevia seu nome na história ao conquistar o título do Mundial Sub-15. O temperamento equilibrado e o espírito de liderança conferiram ao jogador o status de capitão em todos os times de base que passou. Natural de Porto Alegre e neto do lendário goleiro Valdir de Moraes, do Palmeiras, Danny sempre torceu pelo Inter. Seus ídolos foram zagueiros que já vestiram a camisa colorada: Lúcio, Gamarra e Fabiano Eller.

?Toda minha família é colorada. Sempre fui muito identificado com o Inter?, confidencia o zagueiro, que ao lado do goleiro Renan e do volante Maycon, é o jogador do grupo atual que há mais tempo está no clube.

Sisudo e de poucas palavras, Sidnei iniciou sua jornada no Inter em 2001. Logo no início da carreira, foi aproveitado como atacante em função do seu porte avantajado. Mas não demorou para descobrir sua verdadeira posição. ?Um dia o treinador me colocou na zaga de brincadeira, mas acabei me saindo tão bem que fiquei por ali mesmo?, conta o defensor.

Convocado diversas vezes pela seleção brasileira Sub-17 antes de atingir a maioridade (em agosto deste ano), foi promovido à equipe principal no começo desta temporada. Desde então, Sidnei defendeu o time colorado em 23 partidas*. A aplicação tática e a técnica apurada são suas principais virtudes. Com uma carreira promissora pela frente, o jovem zagueiro está atento aos conselhos passados pelos experientes colegas de posição. Sidnei não hesita em ouvir as preciosas dicas dadas por Índio, Marcão, Orozco e o próprio Sorondo.

"Aprendo muita coisa com eles. São jogadores que já viveram muitas situações dentro do futebol. Os ensinamentos deles estão ajudando no meu crescimento profissional", reconhece.

Uma dupla dedicada nos treinos

Responsável por municiar Abel Braga com informações sobre os times adversários, o auxiliar técnico e observador Roberto Moreno também realiza um trabalho especial com os jogadores de defesa. Antes da cada partida, Robertinho, como é conhecido, conversa com os zagueiros colorados sobre os pontos fortes e fracos dos atacantes que eles terão que marcar. Ao final dos treinos, o profissional costuma desenvolver atividades específicas com os defensores. ?Procuro aprimorar alguns fundamentos e passar dicas sobre a maneira como o adversário joga. O Danny e o Sidnei sempre demonstram muito interesse. São dois jogadores de futuro promissor?, elogia Robertinho.


Outras notícias
Loja Virtual