14/11/2006

IARLEY: ARTISTA DA BOLA

O atacante Iarley tem se destacado na reta final do Brasileirão. O jogador encanta a torcida com belos gols e é uma das esperanças do Inter no Mundial do Japão. Saiba mais sobre a vitoriosa carreira de Iarley.


Iarley encanta a torcida colorada com seus gols de placa e talento com a bola nos pés

Talvez nenhum outro esporte seja tão fascinante quanto o futebol. A magia de um drible desconcertante, a beleza plástica de um gol de placa e o fino trato com a bola que só os craques possuem são elementos que seduzem até mesmo quem é pouco afeito a esta modalidade esportiva. Os torcedores do Inter têm experimentando constantemente os encantos máximos deste esporte bretão. As recentes emoções da conquista da América ainda habitam os corações colorados, mas como tudo na vida se renova, no futebol também não é diferente.

Atualmente, o deslumbramento da maior torcida do Rio Grande está concentrado em grande parte na figura do atacante Iarley. Ele tem sido o responsável por lances de efeito e gols antológicos no Beira-Rio na reta final do Brasileirão. Foi assim no golaço de bicicleta contra o Vasco da Gama, na conclusão de letra que garantiu a vitória contra o São Caetano e no preciso chute que acertou o ângulo do goleiro Fernando Henrique na vitória sobre o Fluminense. ?As coisas estão acontecendo. Encontrei meu lugar na equipe e tenho me sentido muito à vontade em campo. Os gols apenas refletem o meu bom momento pessoal?, comemora Iarley, autor de 17 gols com a camisa colorada.


Iarley está executando a bicicleta que acertou o ângulo do goleiro do Vasco, pelo Brasileirão (Ricardo Duarte)

Iarley conta como foi o gol de bicicleta contra o Vasco da Gama: "Foi o Fabiano Eller que passou a bola da esquerda. A bola veio rasante, por isso consegui dominar ela com o peito de forma perfeita. Ela subiu na altura certa. Executei o movimento da bicicleta e rezei para a bola entrar. Muitas vezes até se acerta o movimento, mas o chute sai sem direção. Por sorte, a minha bicicleta acertou o ângulo. É tudo uma questão de sincronia", ensina o atacante.

Os 12 anos de carreira profissional deste cearense de Quixeramobim sempre foram marcados pela técnica refinada e a íntima relação com os gols. Antes de exibir a sua classe no futebol de campo, Iarley fez sucesso em campeonatos intercolegiais de futsal. A habilidade desenvolvida nas quadras acabou se tornando um diferencial quando o atacante migrou para o campo, aos 18 anos. A facilidade em proteger a bola, o drible fácil e a velocidade foram qualidades herdadas dos tempos de futsal que até hoje acompanham o jogador. ?Sempre tive facilidade em driblar. Quando cheguei ao time júnior do Ferroviário-CE , os caras ficaram impressionados com meu futebol e me deram a camisa 10.?, conta Iarley.

Era apenas o começo de uma longa jornada no futebol. Aos 21 anos, o atacante teve seu passe comprado por um grupo de empresários e foi negociado com o Real Madrid B. Foram quatro anos junto aos aspirantes do famoso time espanhol. Depois de atuar um ano pelo Melilla (Espanha), um problema no passaporte obrigou Iarley a retornar ao Brasil, apesar de cinco times europeus terem demonstrado interesse em comprar o seu passe.

No entanto, a experiência adquirida na Europa agregou ainda mais valor ao futebol do atacante. De volta ao país de origem, foi contratado pelo Ceará, e logo em seguida passou a vestir a camisa do Paysandu. Em constante ascensão, Iarley foi o destaque na campanha do time paraense na Libertadores de 2003. Foi dele o histórico gol sobre o Boca Juniors marcado em plena Bombonera. Não demorou para o time argentino contratar o habilidoso atacante. Sem se intimidar com a pressão da fanática torcida do time de Buenos Aires, Iarley fez história com a camisa 10 que um dia foi vestida por Maradona ao marcar o gol que garantiu a conquista do Torneio Apertura de 2003. Além disso, deixou sua marca no clássico contra o River Plate. O gol é considerado um dos três mais bonitos da história do tradicional confronto. ?É com certeza o gol mais bonito da minha carreira. Driblei três zagueiros antes de estufar a rede do River. Mas também marquei um belo gol pelo Dorados (time do México em que atuou em 2004) que gerou muita repercussão entre os mexicanos?, lembra o artilheiro, que ainda conquistaria o título mundial pelo Boca Juniors, no Japão, em 2003 (foto).

Quando chegou ao Inter, na metade de 2005, Iarley manteve a fama de goleador. Nos cinco primeiros jogos com a camisa colorada, marcou nada menos do que quatro gols. No entanto, uma delicada lesão no ombro o afastou dos gramados por quase três meses. Em 2006, com a ida de Rafael Sobis para o futebol espanhol, o camisa 10 do Inter assumiu com maestria a vaga deixada no ataque e tem sido um dos destaques do time no Brasileirão. Agora, aos 32 anos de idade, Iarley projeta seu retorno ao Japão para a disputa do Mundial Interclubes em dezembro. ?Este é um dos maiores momentos que um jogador pode viver no futebol. Quero ajudar o Inter com a minha experiência na busca por este expressivo título?, afirma o atacante.

Os números de Iarley

Iarley marcou 17 gols em 61 jogos, média de 0,28 gols por jogo.

Dos 17 gols marcados, 14 foram de pé direito e 1 de pé esquerdo. Foram 15 gols de dentro da área e um de fora da área. O currículo de gols pelo Inter também registra dois gols de cabeça e um gol de bicicleta.

Foi responsável por 10 assistências (passes para gols) desde que chegou ao Inter.

Já marcou 153 gols (segundo arquivo pessoal do jogador) nos 12 anos de carreira profissional.

Nome: Pedro Iarley Lima Dantas
Data de nascimento: 29/03/1974
Local de nascimento: Quixeramobim-CE
Partidas pelo time profissional: 61
Gols pelo time profissional: 17
Altura: 1m70cm
Peso: 71 quilos
Clubes: Ferroviário (1994-1996), Real Madrid B (1996-2000), Melilla (Espanha)(2000-2001), Ceará (2001-2002), Paysandu (2001 e 2003), Boca Juniors (2003-2004), Dorados (México) (2004) e Inter (desde junho de 2005).

 

Matéria publicada na Revista do Inter do mês de outubro
Fotos: Daniel Boucinha


Outras notícias
Loja Virtual