09/02/2015

Libertadores: saiba mais sobre Universidad de Chile e Emelec, adversários do Inter

Os caminhos do Inter na Copa Libertadores de 2015 já estão quase todos traçados. Com a definição do 4º integrante do Grupo 4, que acontece nesta terça-feira (10/02), o Inter saberá se vai enfrentar na partida de estreia o The Strongest ou Monarcas Morelia. Além disso, Emelec e Universidad de Chile, campeões equatoriano e chileno, respectivamente, também compõem a chave. Confira mais informações sobre estas equipes que vão estar no mesmo Grupo em que o Colorado.

> Club Universidad de Chile

Como joga e como chega a Universidad de Chile para a Libertadores

Após um bom início na Liga de seu país, a Universidad de Chile começou a acumular resultados negativos e despencou na tabela de classificação. Os comandados do técnico uruguaio Martín Lasarte iniciaram a temporada com um empate diante do Cobresal e uma vitória contra o O'Higgins, mas depois a campanha tomou outro rumo. Em três jogos, três derrotas: 3-2 para Santiago Wanderers, 3-1 versus Antofagasta e 3-2 diante do Deportes Iquique. Na última rodada, disputada no sábado (07/02), La U empatou por 2 a 2 com o Huachipato. A falta de vitórias se reflete na tabela de classificação do Campeonato Chileno: 13º lugar e 5 pontos em 6 jogos.

Time de Santiago iniciou esta temporada com tropeços (Foto: Universidad de Chile / Divulgação)

O ex-time do volante colorado Charles Aránguiz atua de maneira parecida ao modelo de anos anteriores. O esquema de jogo varia entre 4-3-3 e 4-4-2, mas a Universidad de Chile segue sendo uma equipe de característica ofensiva. Ora com três, ora com quatro atletas no meio-campo, o time de Santiago concentra suas jogadas pelo esquerdo e centro, especialmente. Com muita participação dos dois articulares do time, a equipe, apesar dos maus resultados deste início de ano, segue demonstrando sua capacidade no campo ofensivo ao marcar 11 vezes em seis jogos.

Equipe-base e destaques

Johnny Herrera; Mathías Corujo, Osvaldo González, Cristian Suárez e José Rojas; Sebastián Martínez, Gonzalo Espinoza, Gustavo Lorenzetti e Ramón Fernández; Leandro Benegas e Gustavo Canales (Enzo Gutiérrez). Aí estão os jogadores que mais têm atuado no pela Universidad de Chile neste arranque de temporada. Destes, somente um atleta já atuou no futebol brasileiro: o goleiro Johnny Herrera, que teve uma passagem pelo Corinthians em 2005. Afora Herrera, uma das referências da equipe, o meio-campista Gonzalo Espinoza é outro destaque do time. Ele atua como volante, mas tem sucessivas participações em jogadas de ataque.

Os argentinos Fernández e Lorenzetti são os armadores da La U e seguidamente marcam presença na grande área adversária. Junto a ales, por ali também circulam os atacantes Canales, Gutiérrez e Benegas, todos de estatura mediana e muita movimentação, característica marcante do estilo de jogo desenvolvido pela Universidad de Chile ao longo dos últimos anos. Além deles, o treinador Lasarte ainda conta com outros dois atacantes chilenos de característica similar: César Cortés e Sebastián Ubilla.

O caminho da equipe chilena até a Libertadores 2015

A Universidad de Chile conquistou a possibilidade de disputar a maior competição do continente a partir do título do Apertura Chileno de 2014. O time venceu 14 dos 17 jogos, além de ter empatado dois e perdido um. A equipe transandina chega credenciada com título ao grupo 4 da Libertadores.

Histórico da La U na competição

Com 19 participações na Libertadores, a Universidad de Chile é um dos mais tradicionais representantes do Chile na competição. A melhor apresentação da equipe ocorreu em quatro oportunidades, quando teve sua campanha finalizada na etapa semifinal: 1970, 1996, 2010 e 2012.

Inter contra chilenos na Libertadores

O time colorado nunca encarou uma equipe chilena na competição. Os jogadores do técnico Diego Aguirre vão enfrentar a Universidad de Chile nesta Copa Libertadores e jogarão diante do representante do único país com o qual o Inter nunca se cruzou ao longo de suas 10 aparições no torneio continental.

Na Copa Sul-Americana, o Inter enfrentou times chilenos em duas ocasiões: em 2008 e 2009. Na primeira vez, a equipe adversária foi a Universidad Católica. O duelo aconteceu nas oitavas de final e o Inter avançou após dois empates, sendo 1 a 1 em Santiago e sem gols em Porto Alegre. No ano seguinte, o confronto ocorreu na mesma fase, mas contra a Universidad de Chile. No Beira-Rio, empate por 1 a 1; na capital chilena, vitória da La U pelo placar mínimo.

> Club Sport Emelec

Como joga e como chega o Emelec para a Libertadores

Somando participações consecutivas nas últimas cinco edições da Copa Libertadores, o Emelec se apresenta para a disputa da competição continental neste ano com o cartaz de ter conquistado o título nacional nas últimas duas temporadas. Além disso, a equipe equatoriana ingressa no torneio já sabendo que perderá o treinador argentino Gustavo Quinteros. Na segunda metade do mês de março, ele assumirá o comando da Seleção do Equador, assim deixando o comando do Emelec, time que tem treinado desde a temporada 2012.

Pedro Quiñónez e D'Alessandro vão se reencontrar na Copa Libertadores

Inter e Emelec se enfrentaram pela última vez em 19 de abril de 2011, em jogo da fase de grupos da Libertadores. Daquela equipe que enfrentou o Colorado, quatro jogadores seguem como titulares: o zagueiro Gabriel Achilier, o lateral-esquerdo Óscar Bagüí, o volante Pedro Quiñónez e o meia-atacante Fernando Giménez. Os comandados de Gustavo Quinteros atuam em um 4-4-2 clássico, com quatro defensores, dois volantes, dois armadores e dois atacantes. Aliás, atenção para o setor ofensivo, que tem jogadores velozes e de boa qualidade técnica.

Nas duas primeiras partidas de 2015 pela Liga Equatoriana, o Emelec somou um empate e uma vitória. Na estreia, diante do Deportivo Quito, empate por 1 a 1. Depois, na segunda rodada, goleada por 5 a 2 para cima do Mushuc Runa, equipe que está em sua segunda temporada na primeira divisão daquele país e foi fundada em 2003.

Equipe-base e destaques

O técnico Gustavo Quinteros escalou o Emelec com poucas mudanças na segunda partida em relação ao jogo de estreia no Campeonato Nacional. A escalação-base do Emelec em 2015 passa por: Esteban Dreer; Dennis Quintero, Gabriel Achilier, Jorge Guagua e Óscar Bagüí; Pedro Quinóñez, Osbaldo Lastra, Fernando Giménez e Ángel Mena; Miller Bolaños e Luis Escalada ou Mauro Fernández.

Na defesa, o time equatoriano possui jogadores experientes, como o goleiro argentino Esteban Dreer, o zagueiro Guagua e o lateral Bagüí, todos com mais de 30 anos. Na lateral-direita, em contrapartida, tem jogado o juvenil Quintero, de 17 anos. Os laterais tem por costume avançar e ser fonte de jogadas importantes do time.

No setor de meio-campo, Quiñónez e Lastra se posicionam à frente da zaga e são os responsáveis pelas ações defensivas na intermediária, enquanto que Mena e o paraguaio Giménez criam as jogadas de ataque. Ambos têm participado dos gols nos primeiros jogos do ano, seja com assistências ou finalizações.

No ataque, Miller Bolaños é um jogador de movimentação e velocidade, e talvez a maior arma do time de Guayaquil. Com 21 anos, ele é um dos mais jovens da equipe. Além Bolãnos, o Emelec tem apresentado outros dois atacantes: Luis Escalada, um centro-avante, e o argentino Mauro Fernández, que atua nas duas funções do ataque. Vale recordar: Fernández fez um dos gols do jogo de reabertura do Beira-Rio no ano passado. O atacante argentino atuava pelo Peñarol e marcou o gol do time de Montevideo na partida em que o Inter ganhou por 2 a 1, com dois gols de D'Alessandro.

O caminho da equipe equatoriana até a Libertadores 2015

O Emelec alcançou sua vaga na Copa Libertadores com a conquista do Campeonato Equatoriano de 2014. Durante a campanha, a equipe atuou em 44 oportunidades, tendo alcançado 27 vitórias, 7 empates e 10 derrotas. Ao todo, o time marcou 75 gols e sofreu 36. Outro campeão na chave do Inter na competição.

Histórico do Emelec na competição

O time equatoriano possui grande experiência na Copa Libertadores. Durante as 56 edições do torneio, o Emelec esteve presente em 23 e vai para sua participação de número 24. Na temporada de 1995, a equipe construiu sua melhor campanha ao chegar à fase de quartas de final.

Inter contra equatorianos na Libertadores

O Emelec, especialmente, tem sido um adversário que se repetiu nas últimas participações do Inter na competição continental. Em 2007, 2010 e 2011, as duas equipes se cruzaram na fase grupos. Contra o time de Guayaquil, o restrospecto do Colorado é positivo: em seis jogos, quatro vitórias e depois empates. No geral contra equatorianos, o Inter soma nove vitórias, três empates e duas derrotas em 14 jogos.


Outras notícias
Loja Virtual