19/05/2013

Gringos fizeram história no Inter

Jogadores de diferentes nacionalidades já vestiram a camisa colorada: argentinos, uruguaios, paraguaios, chilenos, equatorianos, colombianos, entre outros ‘gringos’, que passaram pelo Clube. Alguns deles viraram ídolos e marcaram história no Beira-Rio, com a conquista de títulos e identificação plena com a torcida do Campeão de Tudo. Confira alguns dos estrangeiros que defenderam o time colorado:

José Villalba, o gringo do Rolo Compressor

Considerado um dos maiores atacantes da história do Inter, o argentino nascido em San Tomé integrou o lendário time Rolo Compressor, atuando nos períodos de 1941 a 1944 e 1946 a 1949. Campeão gaúcho em 1941, 1942, 1943, 1947 e 1948, Villalba é o estrangeiro que mais gols marcou pelo Colorado (145), 20 deles somente em Gre-Nais. No clássico 104, disputado em 1948, ele marcou quatro vezes na goleada de 7 a 0. Posteriormente, o atacante defendeu o Palmeiras, o Atlético-MG e encerrou a carreira no Rio Grande.

Benítez, o goleiro do tri invicto (paraguaio)

Camisa 1 marcante da história colorada, o paraguaio José de La Cruz Benítez Santa Cruz foi campeão brasileiro invicto em 1979. Sucessor de Manga, outro importante goleiro do Clube na década de 1970, Benítez também participou das conquistas dos títulos estaduais de 1978, 1981, 1982 e 1983.

 

Figueroa, o ídolo chileno

Um dos maiores ídolos estrangeiros do Clube, o chileno Elías Ricardo Figueroa Brander, notabilizado como Dom Elias Figueroa, brilhou no time que conquistou o primeiro título brasileiro, em 1975. Com a braçadeira de capitão, o zagueirão – que conciliava raça e técnica com maestria –, marcou o antológico ‘Gol Iluminado’ na final contra o Cruzeiro. “A área é a minha casa, aqui só entra quem eu quero”, costumava dizer o jogador que também participou da campanha do Bi do Brasileirão, em 1976, além de ter erguido seis vezes a taça do Gauchão (1971 a 1976). Figueroa jogou a Copa do Mundo de 1974 e até pouco tempo era o zagueiro com mais gols marcados pelo Inter (26 em 366 jogos), sendo superado por Índio, que soma 32 em 365 partidas.


Ruben Paz, o maestro da década de 1980 (uruguaio)

Meia de técnica apurada e muita visão de jogo, o uruguaio Rubén Walter Paz Márquez atuou entre 1982 e 1986 no Inter. No melhor estilo ‘cerebral’, virou ídolo da torcida e colocou no peito as faixas de campeão gaúcho em 1982, 1983 e 1984. Com sua qualidade incontestável, Ruben Paz também jogou duas Copas do Mundo.



Fernandez, o goleirão do título inédito (paraguaio)

Outro goleiro paraguaio que deixou seu nome registrado nos momentos gloriosos do Inter. Chamado de ‘Gato Fernandez’, justamente pela agilidade e desenvoltura com a qual saltava para fazer as defesas, foi fundamental na campanha do inédito título da Copa do Brasil, em 1992. Regular durante toda a trajetória, ainda defendeu dois pênaltis contra o Grêmio, em classificação emblemática obtida à semifinal do torneio.
 


Gamarra, xerifão da zaga (paraguaio)

O paraguaio Carlos Alberto Gamarra Pavón chegou ao Inter em 1995 e logo conquistou a admiração dos torcedores colorados. Extremamente técnico e sempre bem posicionado em campo, Gamarra foi um dos principais jogadores do Clube da década de 1990. Foi campeão gaúcho em 1997, no seu último ano no Clube, e disputou a Copa de 1998.

Rentería, o Saci Colombiano

Um dos principais personagens da conquista da Libertadores de 2006, o colombiano Wason Libardo Rentería Cuesta ainda habita o imaginário dos colorados. Afinal, marcou lindos gols, como o contra o Nacional, pelas oitavas de final da competição continental, em Montevidéu: depois de aplicar um chapéu no marcador, chutou de primeira para fazer 2 a 1. Nas comemorações, o atacante costumava imitar um Saci, com direito a cachimbo e touca, para diversão da torcida.

Guiñazu, el cholo peleador (argentino)

Ídolo recente da nação colorada, Pablo Horácio Guiñazu foi um leão no meio-campo. Símbolo de raça do time e exemplo de profissional, conquistou muitos títulos com a camisa do Inter: Gauchão (2008, 2009, 2011 e 2012), Libertadores (2010), Copa Sul-Americana (2008), Dubai Cup (2008), Copa Suruga Bank (2009) e Recopa (2011).

 

Outros estrangeiros que marcaram história:

With Bahr (alemão): zagueiro e primeiro jogador estrangeiro que atuou no Inter, na quinta partida da história do Clube – vitória de 5 a 0 sobre o Nacional, pelo campeonato citadino, em 1910.

Florêncio Ygartua (uruguaio): zagueiro da década de 1910 que também era formado em medicina. Existe, inclusive, uma rua em Porto Alegre, no bairro Moinhos de Vento, em sua homenagem.

Tomás Scabillon (uruguaio): zagueiro, deixou sua marca na maior goleada da história do Clube, 16 a 0, sobre o Nacional, em 1912.

Donaldo Ross (uruguaio): atacante que jogou entre 1927 e 1931 e estava presente no primeiro título gaúcho conquistado pelo Colorado (1927). Participou do Gre-Nal de inauguração do Estádio dos Eucaliptos, em 1931.

Félix Mágno (uruguaio): meio-campista com duas passagens pelo Clube – 1928 a 1932 e 1939 a 1941. Foi campeão citadino e estadual, em 1940, e mais tarde desempenhou a função de treinador.

Fabio Castillo (uruguaio): atacante inicialmente contratado pelo Grêmio, mas que logo trocou de lado. Permaneceu por sete anos (1935-1942) no Inter e foi campeão municipal e estadual, em quatro e três oportunidades, respectivamente.

Rodolfo Ghizoni (uruguaio): meio-campista com passagem consistente pelo Clube. Atuou em 73 partidas (marca elevada para o futebol da época) entre 1946 e 1950.

Jorge La Paz (uruguaio): foi um importante goleiro da história colorada entre 1954 e 1959. Foi reserva da Seleção na Copa de 1950 e campeão gaúcho pelo Inter, em 1955.

Diego Aguirre (uruguaio): atacante que atuou entre 1988 e 1989. Esteve em campo no Gre-Nal do Século e teve boa participação na vitória de 2 a 1 que valeu vaga na final do Brasileirão. Foi o goleador do Inter na Libertadores de 1989, com cinco gols.

Enciso (paraguaio): volante que também desempenhou a função de lateral-direito entre 1996 e 2000. Julio César Enciso Ferreira foi campeão gaúcho em 1997 e disputou a Copa de 1998 e a Olimpíada de 2004 pelo Paraguai.

Abu (nigeriano): atacante, Abubakar Bello-Osagie atuou pelo Inter B entre 2006 e 2007 e também foi aproveitado no grupo principal.

Pato Abondanzieri (argentino): goleiro experiente que conquistou o título da Libertadores pelo Inter, em 2010. Encerrou a carreira pelo clube colorado no final do mesmo ano.

Vale ressaltar que muitos outros jogadores estrangeiros também vestiram a camisa do Inter em diferentes épocas, porém optamos por destacar nesta edição apenas os mais emblemáticos.

*Matéria publicada na edição 84 da Revista do Inter


Outras notícias
Loja Virtual