08/11/2010

Paul McCartney estremece o Beira-Rio em show histórico

Por Felipe Silveira

O estádio do Internacional foi palco de uma inesquecível apresentação musical na noite deste domingo. Cerca de 50 mil pessoas lotaram o Gigante para acompanhar a performance deste ícone do rock and roll.

Foram quase três horas de um show que pode ser considerado o maior da história da capital gaúcha. Com realização da DC Set Promoções, Grupo RBS e apoio do Sport Club Internacional, o Beira-Rio recebeu Sir James Paul McCartney e sua banda no primeiro show no Brasil da turnê 'Up and coming', que traz no repertório os melhores momentos da carreira do roqueiro, além de, é claro, muitos sucessos dos Beatles. A casa da Maior e Melhor Torcida do Rio Grande mergulhou em uma atmosfera única de euforia e veneração ao ex-integrande desta que foi uma das maiores bandas de todos os tempos. Destaque para a maré vermelha e branca que tomou conta das arquibancadas, já que os sócios do clube colorado tiveram prioridade na compra de ingressos.


Depois do Show do Centenário, Beira-Rio recebeu o maior espetáculo musical da história gaúcha

Rock genuíno

Como bom britânico, Paul foi pontual no início da aguardada apresentação em Porto Alegre. Com o estádio lotado em todos os setores - gramado, anel inferior e superior (apenas o espaço localizado atrás do megapalco não recebeu público) ficaram totalmente preenchidos -, o astro tocou os primeiros acordes da música Venus and Mars Rockshow por volta das 21h06 deste antológico dia 7 de novembro. Foi a senha para o Gigante vir abaixo em uma celebração deste gênero musical que encanta diversas gerações. O moderno conjunto de luz e som montado no lado correspondente à goleira do Gigantinho tornou o espetáculo ainda mais impactante para o público que desde muito cedo formou gigantescas filas no entorno do Beira-Rio.

O gauchês de Paul

Já no começo do show, McCartney foi muito simpático e estabeleceu uma comunicação direta com os espectadores. Dizendo frases como "Mas, bah, tchê!”, “Tri legal” e “Ah, eu sou gaúcho”", o músico caiu nas graças da massa, que gritava seu nome com entusiasmo. O clima de êxtase aumentava a cada nova música interpretada. E apenas sucessos formaram o set list cuidadosamente compilado.

O melhor dos Beatles

Os arranjos e as performances dos competentes músicos foram fidedignos às composições originais dos Beatles. Prova disso foram as execuções de clássicos como All my Loving, Paperback Writer, Let it Be e muitos outros. Também não faltaram homenagens aos ex-companheiros Jonh Lennon e George Harrison em canções como Here Today e Something.

Um dos pontos altos da perfeita noite de primavera foi quando fogos de artifício foram detonados na parte superior do palco ao som de Live and Let Die. O Beira-Rio balançou com a vigorosa interpretação que teve o multinstrumentista McCartney tocando piano. Ato contínuo, Hey Jude encerrou  a primeira parte do espetáculo, para delírio dos beatlemaníacos.

Apresentação histórica

Mas muito ainda estava por vir. Após interagir em português com o público, Paul detonou a eletrizante Day Tripper em alto e bom som. Pérolas do rock como Get Back e Yesterday foram tocadas na sequência. Nos instantes finais, o músico de 68 anos empunhou bandeiras do Brasil e da Grã-Bretanha antes de convidar duas fãs para subir ao palco. As jovens pediram para o astro autografar seus braços sob a promessa de que a assinatura viraria uma tatuagem. E ele o fez para comoção das garotas.


Multidão tomou conta de todos os setores do estádio colorado

O ponto final da inesquecível noite ficou por conta da execução de Sgt Pepper’s Lonely Hearts Club Band. Entre gritos de 'Vamo, Vamo Inter!" -  afinal, o território era notoriamente colorado -, a multidão deixou o Gigante com a sensação de que havia testemunhado um acontecimento histórico. E de fato foi. A terra do Campeão de Tudo agora também entrou no circuito dos grandes acontecimentos da música mundial.


Outras notícias
Loja Virtual