18/08/2010

A trajetória colorada na Libertadores 2010

A América é mais uma vez do Inter

O caminho até a conquista do bicampeonato da America foi repleto de dificuldades, afinal, a Libertadores é um das competições mais difíceis do continente sul-americano. O Inter encarou sete diferentes e qualificados adversários em 14 jogos, inclusive o Estudiantes, que era o atual campeão. A equipe de Celso Roth venceu oito partidas, empatou três e foi derrotada três vezes. Marcou 20 e sofreu 12 gols. Giuliano, com seis gols, foi o artilheiro do time na competição. Relembre jogo a jogo a campanha colorada que culminou com a conquista da taça mais valiosa da América!

Primeira fase

Estreia com o pé direito
Inter 2x1 Emelec (23/2)

A melhor maneira de iniciar uma competição como a Copa Libertadores da América é vencendo. E foi assim que o Inter deu início a sua trejatória rumo ao bicampeonato continental. A equipe conquistou uma vitória por 2 a 1, de virada, sobre os equatorianos do Emelec dentro do Beira-Rio com mais de 39 mil torcedores. Os visitantes abriram o placar no início da segunda etapa, mas Nei, com um belo chute de fora da área, encontrou o ângulo do gol adversário e empatou a partida. No finalzinho do jogo, Alecsandro, após triangulação de Andrezinho e Walter, botou a bola nas redes e carimbou o triunfo colorado na partida de estreia.


Vitória de virada marcou o início da trajetória colorada rumo ao bi da Libertadores

> Crônica do jogo
> Galeria de fotos


Inter arranca empate na altitude
Deportivo Quito 1x1 Inter (11/3)

O primeiro jogo fora de casa do Inter foi recheado de emoções. Além de enfrentar o Deportivo Quito, a altitude foi mais uma dificuldade encontrada pela equipe colorada. Os equatorianos abriram o placar, porém, logo em seguida, Giuliano empatou para o Inter. O momento mais marcante do confronto ocorreu na segunda etapa, quando o goleiro Pato Abbondanzieri brilhou. Após um lançamento do jogador do Deportivo Quito, o goleiro colorado saiu para fazer a defesa dentro da grande área. Quando ele agarrou a bola, o atacante equatoriano o deslocou e os dois caíram no chão. Para surpresa geral, o árbitro marcou pênalti inexistente. Todos os jogadorem foram reclamar do juiz, tentando convencê-lo do erro que tinha cometido. Pato, contudo, com sua experiência multicampeã, correu para falar com o bandeirinha, que tinha uma visão mais privilegiada do lance. O auxiliar então chamou o árbitro e a penalidade máxima foi anulada corretamente. O Inter voltava de Quito com um ponto precioso.


Pato (E) sai no lance em que o árbitro se equivocou ao marcar pênalti; anulado em seguida

> Crônica do jogo
> Galeria de fotos


Empate sem gols e festa da torcida colorada em Rivera
Cerro-URU 0x0 Inter (18/3)

Era a terceira partida do Inter na fase de grupos e a segunda longe do Beira-Rio. Mas nem dava para levar isso em conta. O confronto contra o Cerro, do Uruguai, ocorreu em Rivera, cidade fronteiriça com o Brasil. Cerca de 23 mil colorados lotaram o estádio Atílio Paiva e deram um show. Parecia confronto dentro de casa. Apoio total, mas empate sem gols no placar, apesar do Internacional ter criado as melhores oportunidades da partida.


D'Alessandro foi bem marcado no empate contra os uruguaios do Cerro

> Crônica do jogo
> Galeria de fotos


Vitória com autoridade
Inter 2x0 Cerro-URU (31/3)

Mais de 36 mil colorados fizeram uma linda festa no Beira-Rio e empurraram o time para a segunda vitória na Libertadores. O Inter venceu por 2 a 0 e alcançou a liderança do grupo. Walter chutou e o zagueiro uruguaio Ibañes tentou cortar, mas a bola acabou entrando. Gol contra! O segundo nasceu do oportunismo do artilheiro Alecsandro, que aproveitou rebote do chute de Giuliano para dar números finais à partida.


Artilheiro anotou o segundo na vitória de 2 a 0 sobre o Cerro no Beira-Rio

> Crônica do jogo
> Galeria de fotos


Placar fechado no Equador
Emelec 0x0 Inter (14/4)

A batalha em Guayaquil, no Equador, foi dura. O Inter encarou o Emelec buscando o triunfo fora de casa, mas não conseguiu. Pato Abbondanzieri novamente foi brilhante e impediu o gol do adversário. No final, aos 47min, por pouco Andrezinho não deu a vitória ao Inter. O meia acertou uma pancada no travessão do goleiro equatoriano, na melhor chance do time na partida.


Inter, de Taison, ficou no empate sem gols em Guayaquil

> Crônica do jogo
> Galeria de fotos


Goleada e vaga às oitavas de final
Inter 3x0 Deportivo Quito (22/4)

Noite de grande futebol com classificação do Inter para as oitavas de final da Libertadores. O único resultado que interessava contra o Deportivo Quito no Beira-Rio era a vitória. Melhor ainda com goleada de 3 a 0. Logo no início do jogo, Andrezinho bateu de perna esquerda, no ângulo, e fez o primeiro. Bolívar, de cabeça, aumentou a vantagem no segundo tempo. No apagar das luzes, Giuliano partiu para a jogada pessoal e soltou uma bomba de pé esquerdo, sem chances para o goleiro. Golaço! O Inter carimbava passagem ao mata-mata da Libertadores.


Festa dos jogadores na goleada de 3 a 0 sobre o Deportivo Quito

> Crônica do jogo
> Galeria de fotos


Oitavas de final

Arbitragem desastrosa e derrota na Argentina
Banfield 3x1 Inter (28/4)

Foi uma derrota dura de aceitar, já que o time colorado foi severamente prejudicado pelos erros da arbitragem. Teve pênalti não marcado, expulsão injusta e gol irregular do adversário. O Inter perdeu por 3 a 1 (Kleber marcou o gol colorado e depois acabou sendo expulso) para o Banfield, na Argentina, e ficou na obrigação de vencer por pelo menos dois gols de diferença na partida de volta.


Inter sofreu uma dura derrota na Grande Buenos Aires

> Crônica do jogo


Com o Beira-Rio lotado, Inter reverte vantagem
Inter 2 x 0 Banfield
(6/5)

Com uma atuação marcada pela garra, o Internacional venceu o Banfield por 2 a 0 e garantiu a classificação. Foi uma noite inesquecível de Libertadores no Beira-Rio. Time e torcida atingiram perfeita sintonia e sufocaram o adversário do primeiro ao último minuto. A missão colorada de reverter o resultado do primeiro duelo na Grande Buenos Aires foi alcançada com êxito graças a esta sinergia no Gigante. O primeiro gol, marcado por Alecsandro, saiu em um momento-chave da partida, no finalzinho do primeiro tempo, incendiando o time colorado com ainda mais motivação. Na etapa final, Walter ampliou e garantiu a vaga entre os oito melhores da América.


Jogadores comemoraram junto à torcida a classificação às quartas de final

> Crônica do jogo
> Galeria de fotos


Quartas de final

Placar mínimo, vantagem imensa
Inter 1x0 Estudiantes (13/5)

Foi um jogo duríssimo, contra um qualificado adversário que veio a Porto Alegre disposto a não dar espaços em campo. Mas o Inter foi persistente e venceu o atual campeão da América por 1 a 0, com um gol de Sorondo aos 42min do segundo tempo, garantindo uma importante vantagem para a partida de volta, em Quilmes, na Argentina.


Sorondo (E) vibra com o gol marcado de cabeça aos 42min da etapa final

> Crônica do jogo
> Galeria de fotos


Inter heroico em Quilmes
Estudiantes 2x1 Inter (20/5)

Foi a legítima derrota com sabor de vitória. O time colorado perdia por 2 a 0 para o Estudiantes até os 43min do segundo tempo. A torcida argentina já comemorava, mas em meio à espessa nuvem de fumaça provocada pelos sinalizadores acesos nas arquibancadas do Centenário, em Quilmes, Giuliano marcou o gol da classificação, eliminando o atual campeão da América. Como havia vencido por 1 a 0 no Beira-Rio, o resultado serviu para que o Inter avançasse à semifinal.


Inter conquistou a classifcação à semifinal de maneira heroica

> Crônica do jogo
> Galeria de fotos


Semifinal

Foi difícil de furar a retranca paulista
Inter 1x0 São Paulo (28/7)

Apoiado por mais de 48 mil torcedores, o Inter teve que lutar muito para conquistar a importante vitória no primeiro enfrentamento da semifinal, no Beira-Rio. O São Paulo armou um ferrolho em frente à sua área e praticamente abdicou do plano ofensivo durante toda a partida. Foi o legítimo jogo em que apenas um time tomou a iniciativa na busca pelo gol. Mas aos 22min da etapa final, Giuliano fez o Gigante explodir de alegria: meia-atacante recebeu na área de costas para o gol, fez o giro em cima dos zagueiros, e chutou com categoria, no cantinho direito, para fazer 1 a 0. Ceni ficou estático no centro do gol, totalmente sem reação. O garoto mais uma vez saiu do banco de reservas para decidir uma partida.


Giuliano marcou o gol da vitória no Beira-Rio

> Crônica do jogo
> Galeria de fotos
> Câmera exclusiva


Inter cala o Morumbi mais uma vez
São Paulo 2x1 Inter (5/8)

Foi emocionante a classificação colorada à final da Libertadores. O Internacional perdeu por 2 a 1 no Morumbi, mas o gol qualificado de Alecsandro serviu para que a equipe do técnico Celso Roth ficasse com a vaga. Mais de 57 mil são-paulinos viram o Inter triunfar mais uma vez na capital paulista. Os cerca de 2 mil colorados presentes no estádio puderam gritar a plenos pulmões: "O Morumbi virou o Beira-Rio!".


Alecsandro decidiu mais uma vez e colocou o Inter na final da Libertadores (Jefferson Bernardes/Vipcomm)

> Crônica do jogo
> Galeria de fotos
> Câmera exclusiva


Final

Inter vira o placar e coloca uma mão na taça
Chivas 1x2 Inter (11/8)

Foi mais uma atuação de gala do Internacional na Libertadores. O time colorado jogou com autoridade em Guadalajara e mostrou que estava ávido pelo bicampeonato da América. Após um primeiro tempo primoroso, o Campeão de Tudo sofreu o gol em um lance isolado, bem no finalzinho da etapa. Mas existia uma convicção no vestiário colorado no intervalo: a virada era possível. E assim foi. No segundo tempo, o Inter lançou-se ao ataque e marcou dois belos gols de cabeça, com Giuliano e Bolívar. Foi uma vitória de encher de orgulho a maior e melhor torcida do Rio Grande. A taça mais cobiçada do continente estava ainda mais próxima do Beira-Rio.


Giuliano (D) comemora o gol observado por D'Alessandro: Inter heroico em Guadalajara

> Crônica do jogo
> Galeria de fotos

> Câmera exclusiva


Mais uma vez o dono da América
Inter 3x2 Chivas (18/8)


Grupo de campeões: Inter reconquistou o título da Libertadores da América

A partida foi repleta de dificuldades. Apesar da superioridade colorada no primeiro tempo, foram os mexicanos que abriram o placar no único ataque efetivo da etapa. Mas o Inter foi brioso e virou o placar no segundo tempo. Rafael Sobis abriu o caminho da virada. Na sequência, Leandro Damião e Giuliano ampliaram. O Chivas ainda descontou no finalzinho, mas nada mais impedia a reconquista da América. B-I-C-A-M-P-E-Ã-O!

> Crônica do jogo
> Galeria de fotos


Outras notícias
Loja Virtual