20/05/2010

Os destaques da classificação épica na Argentina

Por Alexandre Corrêa (texto) e
Alexandre Lops (foto)
De Quilmes

Giuliano predestinado

O garoto Giuliano marcou o gol mais importante da sua curta e brilhante carreira. Um jogador de apenas 19 anos e que a cada partida demonstra ter talento para ser um dos maiores do país em pouco tempo. A sua movimentação em direção à área para receber a bola é digna de estudo tamanha a perfeição. “Quando o Andrezinho conseguiu o espaço do passe, eu corri para a área em busca do passe. Sabia que o Andrezinho é muito inteligente e ele me deu um passe sensacional. Quando chutei, nem sei como a bola passou. A bola corria, corria e parecia não entrar nunca. Quando percebi que foi gol, foi uma sensação inacreditável”, contou Giuliano, no vestiário, enquanto recebia os cumprimentos de todos os companheiros, depois do jogo.


Giuliano entrou no segundo tempo e marcou o gol que mantém vivo o sonho do Bi da América

A frieza de Andrezinho

O talento de Andrezinho em deixar os companheiros na cara do gol teve mais um episódio inesquecível na noite desta quinta-feira. Diante de uma defesa fechada por vários argentinos, Andrezinho conseguiu achar um espaço onde não havia. Deixou Giuliano de frente para o goleiro com uma visão de jogo sensacional. “Percebi o Giuliano entrando na área e consegui o passe. Foi uma vitória deste grupo maravilhoso, que não desiste nunca”, disse o meia, depois do jogo.

A catimba de Pato

Depois do gol, foi a vez do goleiro Pato Abbondanzieri ser decisivo. Usando toda a sua experiência, catimbou, ganhou preciosos segundos a cada vez que pegava na bola e irritou os adversários. O Estudiantes praticamente não ameçou mais.  E quando erguia a bola na área, no desespero, Pato sempre esteve lá para segurar o resultado. O heróico goleiro argentino escreveu mais um capítulo decisivo na campanha colorada na Libertadores.

O dedo de Fossati

O gol da vitória teve a participação direta de dois jogadores que o técnico Jorge Fossati colocou no segundo tempo em busca do gol da classificação. A jogada começou com Walter, que entrou no lugar de Nei, e terminou com o gol de Giuliano, que foi a campo na vaga de D´Alessandro. As mudanças deram mais poder ofensivo e permitiram ao Inter chegar ao gol da classificação.

Um carnaval no vestiário

Passado os festejos com a classificação e a briga generalizada no gramado, com os argentinos perdendo a cabeça e tentando agredir os colorados, foi um verdadeiro carnaval no vestiário do Estádio Centenário, do Quilmes. Os jogadores se abraçavam, festejavam sem parar. O meia D´Alessandro puxava o coro das músicas da torcida colorada e pulava como se estivesse nas arquibancadas do Beira-Rio. O vice-presidente de futebol, Fernando Carvalho, pediu a palavra, parabenizou a todos e fez um pacto por mais vitórias nesta Libertadores, seguido pelo capitão Guiñazu, que gritou: “Vamos ganhar!”

Presidente liga da Alemanha para cumprimentar Fossati

Já no ônibus que deixou o estádio cerca de uma hora e meia depois do fim da partida, a delegação recebeu um telefonema da Alemanha. Era o presidente Vitorio Piffero, que está em viagem pelo país europeu, ligar e parabenizar a todos. Falou com o técnico Jorge Fossati, que retransmitiu os parabéns a todos.

Torcida colorada faz a festa na Argentina


Torcida colorada assistiu à histórica vitória do Inter em Quilmes

Eram cerca de 500 colorados contra 20 mil argentinos no Estádio Centenário. Os do Estudiantes, até então confiantes na vitória depois da vantagem inicial de 2 a 0, sentiram o golpe quando saiu o gol de Giuliano. E 90% do estádio murchou. Aí então só deu a torcida colorada, que fez uma festa inesquecível. Quando o juiz apitou o final, D´Alessandro e Walter correram em direção à torcida colorada e se atiraram n alambrado, enlouquecidos. Os colorados tentavam abraçar os dois como podiam. Foi uma festa de arrepiar para coroar a classificação para as semifinais da Copa Libertadores.


Outras notícias
Loja Virtual