23/02/2010

Libertadores: de virada, Inter vence Emelec por 2 a 1 na estreia

O Internacional bateu o Emelec por 2 a 1, de virada, na noite desta terça-feira, no Beira-Rio, no jogo de estreia na Libertadores da América. O time colorado sofreu um gol no começo do segundo tempo, mas Nei e Alecsandro marcaram, aos 7 e 41 minutos, quebrando o tabu do Inter nunca ter vencido na primeira rodada da competição sul-americana. No próximo dia 11, o adversário é o Deportivo Quito, no Equador.

Após três anos, o Inter voltou a disputar uma partida de Libertadores da América. A última vez havia sido em 2007, quando o time colorado acabou sendo eliminado na primeira fase. Entretanto, na temporada anterior, no antológico ano de 2006, o Inter conquistou o maior título do continente sul-americano e o Mundial Fifa, no Japão. Desde aquele ano, nenhum outro time brasileiro conseguiu repetir o feito do ‘Campeão de Tudo’.

Memórias à parte, o Inter começou nesta noite de fevereiro a luta pelo bicampeonato da América. A chuva de verão que caiu pouco mais de uma hora antes da partida não arrefeceu o ânimo da Maior e Melhor Torcida do Rio Grande. A festa dos mais de 39 mil torcedores se estendeu do pré-jogo até depois do apito final com a vitória, de virada, por 2 a 1.


Inter começou a busca pelo bi da América

Equilíbrio nos instantes iniciais

Como não poderia deixar de ser, o Inter impôs um forte ritmo desde os primeiros segundos da estreia diante do Emelec. O time marcava intensamente e saía com velocidade para o ataque. Mas o time de Guayaquil não deixava por menos e também dava pouco espaço para a equipe de Jorge Fossati jogar e tentava surpreender nos contra-ataques.

Aos 5min, Edu recebeu passe de Nei e cruzou para a área. O goleiro Elizaga tentou interceptar a bola, mas ela escapou e ele teve que fazer a defesa em dois tempos na primeira boa chegada do Inter. O time colorado forçava as jogada pelo lado direito, com os incisivos avanços de Nei e Edu. Eles tentavam os cruzamentos para a área, mas a zaga equatoriana levava vantagem na maioria dos lances. Pelo lado esquerdo, Kleber sentia a marcação implacável imposta pelo Emelec.

Em alta velocidade

O primeiro tempo foi eletrizante, a bola não parou. Cada lance era disputado com muito afinco, mas ambos os times tinham dificuldades em concluir a gol. A forte marcação se sobrepunha ao ímpeto ofensivo das equipes. Os jogadores do Emelec valorizavam muito as faltas e os tiros de metas para ganhar tempo. A torcida fazia sua parte e vaiava o anti-jogo equatoriano.


Inter e Emelec travaram um interessante duelo

Pressão no final

Aos 30min, Kleber tocou para Alecsandro que ajeitou com o peito para Giuliano bater forte de fora da área. Aos 36min, após cobrança de falta ensaiada, a bola foi lançada para a área e Bolívar cabeceou para defesa de Elizaga para escanteio. No lance seguinte, Bolívar, novamente, desviou com perigo, de cabeça, ao lado da trave direita. O Inter pressionava: aos 40min, Sandro ganhou na velocidade pela direita e fez o passe para a área. Edu e Alecsandro tentaram finalizar, mas foram impedidos pelos zagueiros. Aos 48min, Alecsandro recebeu na área e chutou cruzado. A bola desviou em Fleitas e saiu para escanteio. Foi o último lance do primeiro tempo.

Susto na largada do segundo tempo

O Inter voltou com a mesma formação para a etapa final. Já o Emelec fez uma substituição: o atacante Santiago Biglieri entrou no lugar de Valencia. Aos 3min, em um contra-ataque veloz, Quiroz entrou livre pelo meio e chutou na saída de Abbondanziere para abrir o placar para o Emelec. A torcida reagiu em seguida, cantando forte para incentivar os jogadores

Gol de placa

O time não se abalou com o revés no começo do segundo tempo. Aos 7min, o lateral Nei experimentou o chute cruzado de longa distância e acertou o ângulo direito. Um golaço!!! Explosão de alegria no Beira-Rio. Ato contínuo ao gol de empate, uma forte chuva desabou sobre o Gigante. Em êxtase, a massa colorada balançava nas arquibancadas do Gigante, sem se importar com nada. 1 a 1.


Nei (camisa 15) empatou com um golaço de fora da área

Blitz colorada

O Inter cresceu no jogo após o gol e lançou-se ao ataque em busca da vitória. Aos 17min, Danilo faz grande jogada pela esquerda e cruzou. Edu testou e a bola iria entrar se não fosse o corpo do zagueiro do Emelec. Aos 18min, Nei, com dores, deixou o campo para a entrada de Taison. Aos 21min, Alecsandro chutou e o goleiro Elizaga defendeu. No rebote, por pouco, Edu não marcou. O Emelec foi responder somente aos 25min: Ayoví dividiu com Pato Abbondanziere fora da área e depois concluiu. Danilo afastou para escanteio na sequência do lance. Aos 31min, Kleber chutou cruzado e bola passou com perigo ao lado do gol. Logo depois, Edu deixou o campo para a entrada do atacante Walter. Mais tarde, aos 35min, Andrezinho substituiu Giuliano.

De virada é mais gostoso

A insistência colorada foi premiada aos 41min, quando Andrezinho fez excelente passe para Walter, na área. O atacante chamou a marcação do goleiro, que saiu em seus pés, e tocou para o lado para Alecsandro finalizar com o gol vazio. Era o gol virada na partida de estreia na Libertadores! Foi o 33º gol de Alecsandro com a camisa colorada. O tabu de nunca ter vencido em estreias em Libertadores estava quebrado!


Alecsandro (no chão) marcou o gol da virada sobre o time equatoriano

Os quatro minutos de acréscimo sinalizados pelo árbitro foram uma eternidade, mas o Inter soube se posicionar bem em campo e garantir os primeiros três pontos no Grupo 5. É o segundo colocado, sendo superado no saldo de gols pelo Cerro de Montevidéu. A torcida jogou junto até o final e pôde comemorar com muita alegria a emblemática vitória. No próximo dia 11 de março, o Inter volta a campo pela segunda rodada da Libertadores. O adversário é o Deportivo Quito, no Equador. Antes, porém, tem dois desafios pelo segundo turno da Gauchão – contra o Santa Cruz, dia 3, no Beira-Rio, e diante do São Luiz, dia 7, em Ijuí.

Entrevistas pós-jogo

"A pegada conjunta de todo o Beira-Rio - torcida, comissão técnica e jogadores - fez a diferença. Não começamos bem a partida, mas conseguimos reagir", destacou o presidente Vitorio Piffero.

"Este jogo teve um grau de dificuldade muito grande. O começo é sempre difícil, e o Emelec está de parabéns. Todo mundo lutou o tempo todo, e um grupo forte é assim", elogiou Alecsandro.

"Estava ansioso para estrear, foi tudo muito rápido, mas me senti muito feliz em campo. Fui muito bem recebido pela torcida desde que cheguei a Porto Alegre. Agora quero me preparar ainda mais para os próximos jogos", disse o estreante Pato Abbondanzieri.

"Andrezinho me deu um grande passe. Eu vi o Alecsandro e ele fez o gol. Tive a felicidade de vê-lo sozinho. O Inter está de parabéns pela grande vitória. O Inter tem um grande grupo. Hoje mostramos que o Fossati tem opções no banco para mudar o jogo", avaliou Walter.

"A torcida hoje foi brilhante. É normal aquela ansiedade em definir a partida. O jogo precisava das alterações que o Fossati fez. O 3-6-1 não tava sendo o suficiente para vencermos e o grupo do Inter se mostrou forte. Todos participaram decisivamente do gol da vitória e estamos de parabéns. Gostei do árbitro. O confronto foi duro e viril, mas leal. Temos que agora ficar alerta quanto à classificação. O segundo colocado não é garantia de passagem às oitavas. O time tem que vencer sempre e ser primeiro", prega o vice-presidente de futebol, Fernando Carvalho.

"Acho que o primeiro tempo foi todo da gente. Não pertimos o Emelec ter oportunidades. Fizemos muitas jogadas de linha de fundo e tivemos o controle do jogo praticamente o tempo todo. Fui mudando o time de acordo com o que eu achava que tinha que fazer. Os três que entraram foram bem. O Taison com velocidade na última linha do Emelec, o Andrezinho com a leitura de jogo que ele tem - apesar de eu não poder arriscar antes com ele, pois ele havia atuado no último domingo. Por fim, o Walter mostrou na jogada a frieza de veterano que ele tem. Sabíamos que o Emelec seria um adversário difícil, pois o futebol equatoriano tem evoluído muito nos últimos anos", analisou o técnico Jorge Fossati.

Internacional (2): Pato Abbondanzieri; Bolívar, Sorondo e Danilo; Nei (Taison), Sandro, Guiñazu, Giuliano (Andrezinho) e Kleber; Edu (Walter) e Alecsandro. Treinador: Jorge Fossati

Emelec (1): Elizaga; Morante (José Quiñónez), Fleitas e Mariano Mina; Achillier, Pedro Quiñónez, Pablo Pérez e Valencia (Biglieri); Ayoví (Peirone), Quiroz e Rojas. Treinador: Jorge Sampaoli.

Gols: Quiroz (E), aos 3 minutos do segundo tempo. Nei (I), aos 7 minutos do segundo tempo. Alecsandro (I), aos 41 minutos do segundo tempo.

Cartões amarelos: Mariano Mina (E), Pérez (E) e Morante (E). Sorondo (I) e Walter (I). 

Público: 39.304 / Renda: R$ 821.170,00.

Arbitragem: Diego Abal (ARG), auxiliado por Roberto Reta (ARG) e Gustavo Esquivel (ARG).

Local: Beira-Rio.


Outras notícias
Loja Virtual