A primeira vítima

No dia sete de setembro de 1909, com seus poucos meses de vida, o Internacional obtinha seu primeiro empate contra uma equipe de primeira linha da época: 0 a 0 com o Militar, que no ano seguinte seria o campeão de Porto Alegre. No mês seguinte, no dia 10 de outubro, resolveram jogar novamente para "desempatar". O jogo terminou 2 a 1 para o Internacional e esta foi a primeira de tantas vitórias coloradas ao longo de mais um século.

A evolução: Inter ganha força e derrota times tradicionais

Em 1913, a camiseta colorada já era completamente vermelha. O Internacional emparelhava no terreno futebolístico com o eterno rival: o Grêmio. Nesse ano, o Inter ganhou seu primeiro título invicto da cidade e repetiu a dose em 1914.

Nesse período excursionou e recebeu times visitantes interioranos com bom cartel no futebol, sobretudo da fronteira sul do Estado. Visitando ou sendo visitado, derrotou o veterano Rio Grande – clube de futebol mais antigo do Brasil –, o Brasil de Pelotas, o Guarani de Bagé, o 14 de Julho de Livramento e o RioGrandense de Santa Maria, entre outros. Seria o ano inicial de uma série de títulos. Nada menos que cinco consecutivos.

Gre-Nal: primeira vitória no clássico veio com goleada

Seis anos após a fundação, o Internacional goleava o seu principal adversário. Em 1915, Inter 4 x 1 Grêmio: era a primeira vitória colorada em Gre-Nais. O time que ganhou o primeiro clássico para os colorados tinha a seguinte formação: Baes, Simão e Dorneles; Bitu, Kluwe e Lucidio; Túlio, Osvaldo, Bendionda, Muller e Vares.

Incrível e histórica marca de seis gols de Vares em um só Gre-Nal

O dia 30 de julho de 1916 registrou um recorde no clássico. Vares, jogador do Internacional, fez os seis gols na vitória de 6 a 1 sobre o Grêmio. A partida foi disputada na chamada Chácara dos Eucaliptos, no Azenha. Foi o primeiro jogo com arquibancadas e vestiários adequados para os times.

Glórias dos 'anos 10', entre elas, um pentacampeonato

Em 1912, o Inter ganhou seu primeiro campo exclusivo de jogo. Era a Chácara dos Eucaliptos, alugada, e onde o Inter permaneceu até a década de 1930. Quando chovia, a Chácara alagava e os jogadores eram obrigados a treinar na Várzea, atual Parque da Redenção. Já em 1913, quatro anos depois de fundado, o Clube ganhava seu primeiro campeonato, o Metropolitano, o qual foi seguido de mais quatro, tornando-se pentacampeão. Nesta primeira fase do Internacional, a importância dos estudantes foi tanta que os campeonatos citadinos, vencidos sucessivamente, foram interrompidos em 1918 por força do surto da febre espanhola. As escolas e as faculdades suspenderam as aulas com receio de contágio e o Internacional ficou praticamente sem time.

As primeiras conquistas foram nos campeonatos metropolitanos. Confira:

1910: 3° lugar
1911: 2° lugar
1912: 3° lugar
1913: campeão invicto
1914: bicampeão invicto
1915: tricampeão invicto
1916: tetracampeão invicto
1917: pentacampeão


A partir da década de 1920, o Inter abriria a sua sede e daria lugar no seu time aos jogadores que pertenciam às muitas ligas que organizavam competições entre clubes representativos de negros (a famosa 'Liga da Canela Preta', por exemplo), de funcionários públicos, de funcionários do comércio e de estivadores. 

1927: a conquista do primeiro título estadual

Multicampeão metropolitano, faltava ao Internacional o reconhecimento estadual. E isto aconteceu no ano de 1927. A final foi disputada no dia 7 de setembro, feriado nacional, contra o Grêmio Bagé. Na época, o campeonato era sempre decidido pelo campeão da chave da Capital contra o vencedor da chave do Interior. A partida foi realizada no bairro Moinhos de Vento, no antigo estádio do Grêmio, em jogos com dois tempos de 40 minutos.

Sem o zagueiro Gilberto, lesionado, o time tinha como principais destaques o capitão Barros e o atacante Ribeiro, então um dos ídolos da crescente nação colorada. A partida foi bastante equilibrada, com o Inter saíndo na frente no último minuto do tempo inicial com um gol do próprio Barros.

Logo no início do segundo tempo, um pênalti para o Inter que o craque colorado Ribeiro se encarregou de bater. Porém, para desespero dos torcedores e do próprio Ribeiro, a cobrança foi para fora. E para piorar, na saída de bola, o Bagé empatou também em uma cobrança de penalidade, através de Pasqualito.

Mas, já mostrando a raça que seria símbolo do Clube ao longo das décadas, o Colorado foi para cima e obteve a vitória. Primeiro com Nenê e depois com Barros, que marcou seu segundo na partida e decretou a vitória por 3 a 1. Assim, o Internacional obtinha seu primeiro título gaúcho da história, cabendo ao próprio Barros a honra de levantar o primeiro troféu estadual.



Barros: capitão da primeira conquista estadual

Loja Virtual